sexta-feira, 6 de setembro de 2019

CONSTRUTOR DE BARCOS

Collado
CONSTRUTOR DE BARCOS

Madeira aplainada,
movimentos medidos
e a tábua sai dobrada.
As mãos derrapam
sempre que aplica a tábua,
tanto que fazer,
ainda não se vê o barco,
as estrelas iluminando o céu
cansado.
Desce o mestre
ao porão da barcaça
e grava a canivete
o nome do barco.
Venham as ondas, as marés,
os relógios solares, as ampulhetas,
vive-se esta noite com as ninfas
em sonhos arrebatados.

Sem comentários:

Publicar um comentário