quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

DIA SURREAL

Jose Gonsalez Collado

DIA SURREAL

Passa na rua
o Luís apressado,
não existe trânsito,
não existem pessoas,
a cidade parou,
o Luís silenciou,
olhou o céu
possivelmente
à procura de um fenómeno,
uma aurora boreal.
De resto, a cidade
continua igual,
os mesmos prédios
estruturados no século XVIII,
no século XIX,
as mesmas ruas estreitas,
o comboio partindo,
o cego pedindo
numa esquina de S. Bento.
Fora este interregno,
há barulho, confusão,
os turistas a achar
tudo o que é de ver,
o sapato cansado
a calcar as pedras gastas,
o trabalho, o ar marítimo,
o rio a acenar

querendo deitar-se no mar.

Sem comentários:

Publicar um comentário